Ortopóvoa
Os aparelhos ortodônticos

Os dispositivos usados durante o tratamento ortodôntico podem ser removíveis, ou seja, podem ser retirados e colocados pelos pacientes, ou podem ser fixos, i.e., estão permanentemente fixados nos dentes durante o período de tratamento e só podem ser removidos pelo ortodontista. Normalmente sente-se um pequeno desconforto nos primeiros dias após a colocação dos aparelhos.

Que tipo de aparelhos existem?

a) Aparelhos fixos

São os aparelhos ortodônticos mais utilizados. São constituídos por suportes onde se inserem os arcos metálicos que deliberam forças para deslocar os dentes para melhores posições. Os suportes são essencialmente de dois tipos: os “brackets” que são colados às superfícies dos dentes e os tubos soldados às bandas, as quais são anéis metálicos cimentados em redor dos dentes que suportam forças mais elevadas.

b) Aparelhos de expansão

Trata-se de aparelhos usados para a alteração da forma da arcada dentária. Incluem-se nesta categoria os dispositivos de expansão removíveis que têm de permanecer na boca 24 horas por dia e também os dispositivos de expansão fixos.

c) Aparelhos funcionais

São aparelhos removíveis ou fixos que podem ser usados para a correção dos problemas dos ossos maxilares. São usados quando o ortodontista pretende orientar, estimular ou inibir o desenvolvimento dos maxilares. Colocam-se em crianças muito jovens, sendo principalmente utilizados nos períodos da pré-puberdade ou na puberdade. Os dispositivos funcionais removíveis são, na sua maioria, usados durante o período da noite e durante algumas horas do dia. As vantagens dos dispositivos removíveis são a facilidade com que podem ser limpos e a possibilidade de poderem ser retirados durante as refeições. No entanto, nos pacientes em que se nota pouca ou nenhuma colaboração durante o tratamento, o fato destes aparelhos poderem ser retirados poderá constituir uma desvantagem, sendo por isso mais indicados os dispositivos fixos.

d) Aparelhos extraorais

São dispositivos que desenvolvem forças capazes de modificar o crescimento dos maxilares e que podem ser utilizados também para mover os dentes para melhores posições. Em certas situações podem ser usados como contra força para impedir que certos dentes se desloquem. O aparelho extraoral é constituído por um arco facial e uma correia de tração aplicada no pescoço ou na cabeça.

e) Dispositivos auxiliares

São inúmeros os dispositivos que se utilizam em conjugação com os aparelhos fixos com diversos objetivos. De entre estes podemos citar, os elásticos, as cadeias elásticas ou certas molas especiais. Estes dispositivos, utilizados complementarmente aos arcos inseridos nos “brackets” dos aparelhos fixos provocam forças que movimentam os dentes nos três planos do espaço. São usados sempre que se torna necessário movimentar os dentes com mais precisão.

f) Aparelhos e dispositivos de contenção

Depois de obtida a correção dento-maxilo-facial (fase ativa do tratamento) torna-se necessário manter o resultado alcançado, já que durante determinado período de tempo haverá tendência a que os dentes se movam para as posições prévias (recidiva). A manutenção dos resultados, conhecida por fase de contenção, leva-se a efeito com dispositivos removíveis ou permanentes. A cooperação do paciente é crucial durante esta fase, para que se evite a recidiva, assegurando-se dessa forma a estabilidade dos resultados do tratamento ativo ao longo do tempo.