Ortopóvoa
Perguntas frequentes

Quando é que se deve iniciar um tratamento ortodôntico? - QUANTO MAIS CEDO, MELHOR.

A prevenção é fundamental em qualquer especialidade médica ou dentária. Por essa razão, recomendamos que a primeira visita ao ortodontista seja antes dos sete anos de idade. Trata-se do momento ideal para o ortodontista observar o paciente, identificar os problemas, avaliar a sua gravidade e decidir o melhor momento para se iniciar o tratamento.

A ortodontia preventiva, dirigida aos pacientes muito jovens, pretende tratar algumas situações, tais como a perda prematura dos dentes temporários, a sucção prolongada dos dedos e as posições incorretas da língua. Nos casos onde se verifica a sucção dos dedos e a projeção da língua, torna-se possível interromper esses hábitos nocivos sem recorrer à colocação de aparelhos ortodônticos desde que, tanto os pais como as crianças, sejam devidamente instruídas e orientadas.

Os tratamentos levados a efeito entre os sete e os nove anos de idade correspondem à denominada ortodontia intercetiva. O seu propósito é promover tratamentos com o objetivo de evitar o desenvolvimento de problemas de ordem funcional e esquelética.

Se estes problemas não forem tratados precocemente vão consentir num crescimento e desenvolvimento incorreto das estruturas bucais e faciais. Na figura seguinte, mostra-se o resultado de um tratamento intercetivo onde se corrigiu uma mordida cruzada anterior. A ortodontia corretiva trata as más-oclusões que já se apresentam completamente estabelecidas em crianças ou adultos. O momento ideal para se iniciar o tratamento corretivo é determinado pelo ortodontista, dependendo da gravidade da situação e do estado de desenvolvimento dos dentes e dos ossos maxilares.

Quais são as vantagens de iniciar um tratamento ortodôntico no momento certo?

1.Melhor prognóstico para se evitar a extração de dentes permanentes;

2. Supervisão e orientação mais fácil dos problemas de natureza óssea, uma vez que o ortodontista pode controlar melhor o desenvolvimento esquelético antes do despontar da puberdade (ortopedia dentofacial);

3. Melhor resposta dos tecidos biológicos ao tratamento;

4. Adaptação mais fácil dos pacientes jovens aos aparelhos;

5. As crianças mais novas não se sentem apreensivas e, geralmente, não têm problemas de índole psicológica como os adolescentes;

6. Quando o tratamento é iniciado mais cedo termina antes da criança entrar na puberdade. Por essa razão, possuem mais autoestima do que os outros adolescentes, uma vez que melhoraram a sua estética facial;

7. Os pacientes adultos, cujo desenvolvimento ósseo já terminou, são mais frequentemente sujeitos a extrações de dentes permanentes ou, no caso de serem portadores de problemas esqueléticos graves, necessitam de cirurgia ortognática (para corrigir as dimensões e as posições dos maxilares).